10 de dez de 2015

Pelo Direito de Ouvir o que Queremos

Quem nunca se envergonhou de uma música que estava ouvindo? Colocou nos fones e pensou: "Não acredito que estou ouvindo isso...". Quem nunca sentiu vergonha de gostar das músicas do One Direction, Justin Bieber e por aí vai... Afinal, ninguém do meu grupo gosta então eles não podem saber que ouço. Quem nunca foi chamado de satânico por ouvir rock e p*ta por ouvir funk. Vivemos de rótulos: somos julgados pela nossa aparência, pelas comidas que gostamos, pelas séries que assistimos e sem dúvidas, pela música que ouvimos. Vivemos numa sociedade em que o normal é perdermos nossa identidade e nossa personalidade para se adequar ás coisas que os outros gostam. Tudo isso baseado no medo em não ser aceito por algum grupo social ou por ser julgado. Infelizmente esquecer a si mesmo já é tão normal quanto gostaríamos.
Todos nós sabemos como muita gente atualmente está lutando para quebrar padrões, mas poucos realmente o fazem. E quando digo padrões, quero dizer os padrões físicos, como corpo e cabelo. Muita gente preocupada em aceitar-se como é, com o corpo que tem, com o cabelo que tem, mas a maioria dessas pessoas esquecem de aceitar-se por dentro. E o que isso tem em comum com as "músicas vergonhosas"? Quebrar padrões e aceitar-se não é simplesmente se olhar no espelho e dizer a si que se ama, mas sim aceitar seus gostos próprios sem medo do julgamento alheio, sem medo de ficar sem um grupo social, sem medo de ouvir as músicas que gosta, de usar as roupas que curte e ver as séries que adora. Muitos sites e blogs dizem para quebrarmos os padrões físicos como fossemos feitos apenas de pele e osso quando temos tanto a acrescentar em nossa cabeça. 

Quer mudar os padrões? Comece a ouvir as músicas que gosta, independente do gênero e não esconda isso de ninguém. Quer continuar mudando? Influencie outras pessoas a fazer o mesmo, bem como discutir sobre aquele livro que ninguém gostou, mas você adorou. Ou aquela série que todo mundo odiou, mas você curte pra caramba. Ao olhar no espelho para aceitar a si, olhe seu reflexo interior para se aceitar de forma completa e só assim você realmente conseguirá o seu amor próprio, porque amor próprio não é apenas amar seu corpo e o seu cabelo, mas também seus gostos e suas preferências. 

4 comentários:

  1. Adorei! É muito verdade o que você falou. Felizmente eu não tenho esse problema, sou bem desencanada no sentindo de "ser aceita"! Mas nem sempre foi assim...já fiz muita besteira e abri mão de muita coisa que eu gostava simplesmente pras pessoas gostarem de mim! Hoje vejo que isso é uma preocupação SUPER boba!

    Um beijo
    http://www.blogaquelas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! Também já fui dessas de deixar meus gostos de lado ou gostar de coisas por conta dos outros. Também tenho minhas aceitações hoje em dia, mas acredito que tudo são coisas que fizeram quem eu sou atualmente :)
      Beijos meninas :*

      Excluir
  2. Eu escuto e canto o que gosto na frente de quem for! Tô nem aí! Música foi feita pra ser ouvida! Vai desde o tecnobrega até o rock! Escuto tudo!

    Cheiro de Pipoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que ser assim mesmo haha Nada de se privar!
      Beijos :*

      Excluir

Obrigada por comentar ❤️